segunda-feira, 16 de junho de 2008

DEIXANDO NAMORADOS


Para saber se o relacionamento que seu filho tem no Brasil vai atrapalhar o intercâmbio, você vai ter que pagar pra ver.

Mesmo nos intercâmbios de pouco tempo, ter um "compromisso" atrapalha e muito.
Há uma cobrança de comportamento para a parte que vai viajar, que faz dificultar o entrosamento com as pessoas do outro país.
Tudo isso naturalmente regado a conversas intermináveis pelo celular (CUIDADO!!!) ou pelo MSN.

Claro que ele neste tempo poderia estar passeando, interagindo com outras pessoas e desenvolvendo o idioma.
Portanto, uma conversa com eles, se houver esta oportunidade, ou pelo menos com ele, é imprescindível.

Faça-os ver a importância desta viagem do ponto de vista do amadurecimento que ela proporcionará e do quanto foi dispendido em dinheiro, para que eles percebam com clareza o quanto um relacionamento com muita cobrança significará neste momento.

Caso não seja possível você ter esta conversa com ambos, peça a seu filho para fazê-lo.

Tenho certeza que se o amor fôr forte o suficiente, sobreviverá ao tempo, mas o que é preciso ficar bem claro entre eles é que no momento o intercâmbio é a prioridade.
E eles devem ficar livres para novas experiências, que podem ser inclusive outros relacionamentos.

Um tempo no namoro seria o ideal, na volta uma conversa poderá fazer a retomada, se houver o interesse de ambos.
Pode parecer um excesso de pragmatismo, mas estejam certos que é a melhor atitude a tomar.

4 comentários:

Breno disse...

Tambem recomendo dar um tempo, Pq? Ela foi viajar e eu fiquei, eu não o que é pior, ela lá ou eu preocupado aqui, ai começa a falta de comunicacao, eu ligava sempre pelo skype pra ela, ja ela me ligar era impossivel, me senti meio abandonado... o amor só nao acabou pq conheço ela desde criança, talvez isso tenha ajudado... é muito complicado. Recomendo o tempo tambem, é natural quem ta la ficar no clima e achar q a vida é facil como ela tava vivendo... e quem sofre é quem fica....

www.querofazerintercambio.com

Croft disse...

Nossa, desculpa a sinceridade, mas acho extremamente invasivo a mãe (ou sogra) dizer que devem terminar o namoro.

Com todo o respeito, acho que quem cuida disso é o casal. Acredito também que se for pra acontecer alguma coisa, simplesmente acontece.

Falo por mim, que já fui morar 2 meses no Canadá e deixei namorado aqui. Trocava e-mails diários, mas depois de uma semana já comecei a escrever para ele (e para quem quer que fosse no Brasil) em inglês, para não atrapalhar a minha imersão na cultura. Foi uma decisão minha, mas acontece que meu intercâmbio foi super produtivo porque eu sempre tive uma postura adulta diante dessa oportunidade, sem ninguém precisar me dizer nada.

No final das contas, terminei meu namoro assim que voltei. Aconteceram algumas coisas por lá que mexeram com o meu coração e mostraram que a vida não tem bem que ser por aí. Enfim. O que quero dizer é que de um modo ou de outro, a vida faz o maior papel de mãe, ela ensina.

Beijos e parabéns pelo blog original!

MARCIA CASARES disse...

Croft, nem todos tem postura madura e adulta.
E mãe não invade, ajuda e orienta.
Obrigada pelo elogio, e espero sempre sua visita.
Bjussssssssss

Luísa disse...

eu creio que o namoro entra em um dilema inegável. não deve generalizar essa tomada de atitude, uma vez que nem todos casais viajam com objetivo relacionar com outras pessoas de modo mais privado. claro, as oportunidades são imensas. mas isso vai de cada namoro. não pode falar que o tempo que o intercambista gasta no computador ou telefone é gasto de tempo. ora! a vida não será só intercambio. ele tem a vida aqui, e não pode negá-la! aliás, há casais maduros o suficiente que não acabam, e há outros que realmente acabam. mas vai de casal pra casal, tenho certeza que o tempo dirá muito mais do que meras palavras de pais. o namoro é feito de duas pessoas, e os pais estão presentes (ou não) sempre orientando. mas a decisão é tomada pelo casal, não por parte dos ouvintes. a platéia escuta, os atores fazem o show, e sabem muito bem a hora de fechar a janela ou darem bis